quinta-feira, 12 de dezembro de 2013


iStock

Unhas podem dizer muito sobre a sua saúde

Manchas e aparência delas mostram se está faltando nutrientes no organismo


POR ESPECIALISTA
As unhas não servem apenas para passar a infinidade de cores de esmaltes que atualmente lotam as prateleiras das lojas. Pelo contrário, elas atuam com uma importante vitrine do nosso corpo que pode indicar diversos problemas de saúde. É importante sempre estar atento. Veja abaixo algumas informações importantes para cuidar melhor das suas unhas e do seu corpo: 

É verdade que as unhas são um reflexo do organismo e indicam problemas de saúde do corpo todo? 
As unhas, na maioria das vezes, quando apresentam alguma alteração estética são sinônimos de falta de alguma vitamina ou nutrientes. Porém, às vezes, podem representar manifestações de doenças de pele, como psoríase, e até de doenças hepáticas, 
Quais são os cuidados que devemos ter com elas? A recomendação muda quando o frio chega? 
A recomendação é a mesma o ano todo: não ficar ficcionando as unhas, para que não se tornem frágeis e quebradiças, e sempre hidratá-las com um creme, geralmente, à base de substâncias como a uréia, lactato de amônia, vitamina E, ceramidas e ômegas-3 e 6.

Quais são os fatores que acabam com a saúde e a beleza das unhas? 
Esquecer-se de hidratá-las, fazer dietas muito radicais, ficar friccionando-as e abusar de substâncias que as desidratem, como a acetona. 
A recomendação é a mesma o ano todo: não ficar ficcionando as unhas, para que não se tornem frágeis e quebradiças.
É verdade que devemos ficar um tempo sem esmalte, pois, do contrário, elas ficam fracas e amarelas? 
Isso é dito popular. O certo, sim, é usar um esmalte de qualidade e sempre manter as unhas hidratadas.

É verdade que os esmaltes escuros fazem com que elas fiquem mais fortes? E que a acetona tem o efeito oposto? 
O tom do esmalte não altera densidade o dureza d as unhas. O mesmo não pode ser dito da acetona que, de fato, deixa-as frágeis, pois deixa as unhas desidratadas com muita frequência. 
Manchas brancas nas unhas

O que elas podem significar? 
As manchas brancas podem representar desde doenças próprias das unhas, como a micose de unhas, doenças de pele, como psoríase e líquen plano, passando até por deficiências vitamínicas. É para se ter um tratamento específico para a causa desta unha branca, impedindo principalmente a lesão da matriz das unhas que podem deixar a unha alterada para sempre.

Como o diagnóstico é feito?
Geralmente, um bom exame dermatológico já é o suficiente. Se o médico tiver algum tipo de dúvida, pode proceder com raspados da superfície da unha, bem como biópsia da matriz da mesma. Se for falta de vitamina,  geralmente, os polivitamínicos comerciais já suprem estas deficiências. No entanto, eles só devem ser ingeridos se esta causa for de fato comprovada por um dermatologista.

Se o caso for causado por micose, com medicamentos antifúngicos, geralmente, por via oral, em um período que varia de seis a 12 meses, é possível acabar com as micoses de unha
Manchas amarelas 

O que pode significar?
Geralmente, significam ingestão aumentada de betacaroteno, mas, no caso de pacientes com hepatites, podem representar insuficiência hepática, devido à icterícia. Em alguns casos, pode ser devido à nicotina em fumantes crônicos. A verde, geralmente são devido a infecções bacterianas.

Como o diagnóstico é feito? 



Na maioria das vezes, com um exame dermatológico, seguido na suspeita de hepatopatia, de exames sanguíneos. Se o alto consumo de betacaroteno for alto é preciso diminuir imediatamente o consumo do mesmo.  
ESCRITO POR:Adilson Costa
Dermatologia
foto especialista
ESPECIALISTA MINHA VIDA


No mundo canino, cinomose é sinônimo de alerta vermelho! Essa doença viral e contagiosa entre os cachorros é extremamente perigosa, podendo matar o bichinho em poucos dias.
Os sintomas podem aparecer de formas bem diferentes. No início, os sinais clínicos mais comuns são diarreia, vômitos e secreção ocular ou nasal. Porém, na fase mais grave da doença, podem surgir problemas neurológicos, como convulsão, falta de coordenação motora e paralisia.

Leia também:
Saiba identificar quando seu cãozinho está doente
Nome ou apelido: qual a melhor forma de se comunicar com os pets?
Cães também podem fazer acupuntura
“Essa é uma doença multissistêmica, ou seja, que pode atingir diferentes órgãos”, explica a médica veterinária Marcela Barbosa, que atende na pet shop Petit Ami, no bairro de Pinheiros, em São Paulo.
A cinomose tem um índice altíssimo de mortalidade, chegando a cerca de 70% dos casos, de acordo com estimativas de especialistas. Segundo Marcela, o tratamento é pouco efetivo e bem difícil. “A recuperação depende principalmente da resposta imunológica de cada cão, pois por ser uma doença viral, ela não têm tratamento específico”, afirma. Segundo a veterinária, as medicações utilizadas servem mais para controlar problemas secundários desencadeados a partir da cinomose. É possível que o médico indique, por exemplo, antibióticos, imunoestimulantes e soro, entre outros.
Prevenir é o melhor único remédio
A cinomose é causada por um vírus geralmente transmitido pelo contato direto com outros animais infectados, ou pelas secreções de focinho, boca ou urina de outros cachorros doentes que tenham contaminado o ambiente. Por isso, é importante que o animal em tratamento fique totalmente isolado. Se isso não acontecer, o vírus se alastra.
Para dar um exemplo da gravidade da doença: no início de 2012, 200 cãezinhos morreram no município de São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas, todos vítimas da cinomose.
Contra esse mal, o caminho indicado é a prevenção. Existe vacina contra a cinomose, e é importante que os tutores sigam à risca os intervalos para a imunização. Em filhotes, a vacina deve ser aplicada em torno de 45 dias, com reforço mensal por três ou quatro meses, dependendo da orientação de cada veterinário. Depois disso, o reforço passa a ser anual, por toda a vida do cão.
Por ser muito temida e não ter um tratamento definitivo, a cinomose causa muitas dúvidas nos donos. Assim, Marcela Barbosa nos conta as “verdades e mentiras” sobre a doença:
1) Os cães recuperados se tornam portadores da doença.
MENTIRA. No entanto, após a cura, os bichinhos ainda eliminam por cerca de seis meses o vírus na urina, podendo disseminar a doença.
2) Limpar o ambiente ajuda a não disseminar o vírus.
VERDADE.
 O vírus é pouco resistente no ambiente, portanto a realização de limpeza com desinfetantes ajuda no controle e disseminação da doença.
3) A doença pode ser transmitida para humanos.
MENTIRA.
 A doença não é uma zoonose, ou seja, não é transmissível para os humanos.

4) Controle de alimentação, entre outros, pode ajudar a prevenir a cinomose.
MENTIRA.
 A ÚNICA forma de prevenção realmente efetiva é a vacinação anual do seu cão.

5) Algumas raças são mais propensas a desenvolverem a doença.
MENTIRA.
 Não existe predisposição com base em raça. O que ocorre é que a cinomose acomete, principalmente, filhotes ainda não vacinados e cães idosos não vacinados, por terem o sistema imunológico mais frágil. É importante destacar, porém, que qualquer cão, de qualquer idade ou de qualquer raça, está propenso à cinomose quando não vacinado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário