sexta-feira, 24 de abril de 2015

Cientistas chineses modificam geneticamente embriões humanos em experimento inédito

 
Um grupo de pesquisadores chineses realizou, pela primeira vez na História, experimento em que modificou genes de embriões humanos, detonando controvérsia devido a uma série de questões éticas. Sempre cautelosos quanto a esse tipo de pesquisa, cientistas temem que a modificação de embriões humanos, mesmo que com o objetivo de curar doenças genéticas, tenha consequências imprevisíveis sobre gerações futuras.

A experiência também traz preocupações de seu uso em iniciativas de eugenia, filosofia surgida no século XIX que prega a "melhoria" das populações por meio do casamento de pessoas com características supostamente "superiores" e eliminação ou esterilização das ditas "indesejadas" - classificação que, dependendo da sociedade e da época, incluiu desde doentes mentais a homossexuais, passando por negros, índios e judeus - e resultou em pesadelos como o nazismo.
Rumores de que a pesquisa vinha sendo feita circulam no meio acadêmico desde março. Segundo o site da revista "Nature", tanto a "Nature" quanto a "Science", duas das mais prestigiadas publicações científicas do mundo, recusaram-se a publicar o artigo sobre o experimento pelo menos em parte devido a questões éticas que o trabalho suscita. Mas a equipe de pesquisadores, liderada pelo professor Junjiu Huang, da Universidade de Sun Yat-sen em Guangzhou, na China, conseguiu que seu estudo fosse aceito pelo bem menos conhecido periódico "Protein & Cell".
Huang e seus colegas tentaram driblar as preocupações éticas quanto ao experimento usando embriões "inviáveis", ou seja, que não resultariam em nascimentos, obtidos em clínicas de fertilidade locais. A equipe buscou modificar o gene responsável pela beta-talassemia, um distúrbio sanguíneo fatal, usando a ténica de edição genética conhecida como CRISPR/Cas9. Segundo os próprios pesquisadores, contudo, seus resultados revelam sérios obstáculos ao uso do método em aplicações médicas.
- Acredito que este é o primeiro estudo de CRISPR/Cas9 aplicado a embriões humanos e, sendo assim, o trabalho é um marco, mas também é motivo de cautela - disse ao site da "Nature" o biólogo genético George Daley, da Escola de Medicina de Harvard, em Boston, nos EUA. - A pesquisa deve servir de aviso a qualquer cientista que pensa que a tecnologia está pronta para tentar erradicar doenças genéticas.
No experimento, os cientistas injetaram nos embriões o complexo de enzimas CRISPR/Cas9, uma espécie de "tesoura" molecular que corta e une o DNA em locais específicos. O complexo pode ser programado para atuar sobre um gene problemático, que, então, é substituído ou reparado por outra molécula introduzida ao mesmo tempo. "O sistema é bastante estudado em células humanas adultas e em embriões de animais. Mas nunca houve pesquisas publicadas sobre o seu uso em embriões humanos", lembra o site da "Nature".
'NÃO SOMOS RATOS DE LABORATÓRIO'
Os cientistas testaram a técnica em 86 embriões. Após 48 horas, os pesquisadores testaram 54 dos 71 embriões sobreviventes e identificaram que desses, 28 tinham sido modificados com sucesso. De acordo com próprio grupo de cientistas, a baixa taxa de sucesso indica que o processo não será aplicado em embriões viáveis tão cedo, já que, para isso, a pesquisa precisaria alcançar 100% de eficácia.
Em tese, a técnica pode servir de base para o tratamento de doenças genéticas. No entanto, a comunidade científica tem sérias preocupações quanto a seu uso na medicina. Mudanças no código genético podem não apenas alterar o ser humano cujo DNA estaria sendo "reparado", mas também seus filhos, netos, bisnetos etc. Ou seja, uma alteração no gene de uma pessoa pode resultar em gerações de humanos geneticamente modificados, sendo que ainda não há pesquisas para saber quais seriam as consequências disso.
No último dia 12 de março, a revista "Nature" publicou um alerta sobre pesquisas com embriões humanos, pedindo uma moratória total nesse tipo de estudo. Presidente da Aliança para a Medicina Regenerativa, o cientista Edward Lanphier e outros quatro pesquisadores pediram à comunidade mundial para não realizar experimentos nessa linha. "Não somos ratos de laboratório, muito menos algo como um milho transgênico. Por décadas, os países desenvolvidos debateram a modificação de genes em células reprodutivas e se posicionaram contra isso", disse Lanphier ao GLOBO em março

Anticoncepcionais podem alterar a estrutura cerebral da mulher

ANTICONCEPCIONAIS
Pílulas anticoncepcionais têm possíveis efeitos colaterais problemáticos, incluindovariações de humor e até mesmo afetando a escolha de parceiros. Um novo estudo acrescenta uma potencial preocupação à lista: hormônios contraceptivos podem causar alterações na estrutura do cérebro e afetar suas funções.
É possível que os hormônios sintéticos encontrados na pílula – e possivelmente a supressão de hormônios naturais que ocorre quando as mulheres tomam a pílula – causem essas alterações, segundo um novo estudo publicado na revista Human Brain Mapping.
Em um estudo realizado com 90 mulheres, neurocientistas da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, descobriram quem duas regiões-chave do cérebro – o córtex orbitofrontal lateral e o córtex cingulado posterior eram mais finos em mulheres que usavam contraceptivos orais que em mulheres que não o usavam.
O córtex orbitofrontal lateral tem um papel importante na regulação das emoções e na resposta a recompensas. O córtex cingulado posterior está envolvido com pensamentos interiores e exibem aumento da atividade quando lembramos de memórias e fazemos planos para o futuro.
Mudanças no córtex orbitofrontal lateral poderiam ser responsáveis por aumento na ansiedade e por sintomas de depressão relatados por mulheres que começam a tomar a pílula.
“Algumas mulheres têm efeitos colaterais emocionais negativos por causa da pílula, mas os resultados das pesquisas científicas é inconclusivo”, diz ao The Huffington Post Nicole Petersen, autora do estudo e neurocientista da UCLA. “Então é possível que essa mudança no córtex orbitofrontal lateral seja relacionada a mudanças emocionais que algumas mulheres sentem quando usam as pílulas anticoncepcionais.”
Os cientistas ainda não determinaram se essas mudanças neurológicas são permanentes ou se duram apenas enquanto as mulheres estão tomando o anticoncepcional.
“Precisamos fazer mais estudos para descobrir que comportamentos podem ser alterados, mas este estudo nos dá alguns possíveis alvos, e acredito que o primeiro lugar para observar é o efeito da pílula na regulação das emoções”, diz Petersen.
As descobertas contradizem um estudo de 2010 que afirmava que a pílula engrossava áreas do cérebro associadas ao aprendizado, à memória e à regulação das emoções.
A esta altura, as pesquisas sobre os efeitos neurológicos da pílula são limitadas, então é difícil tirar conclusões. Entretanto, alguns cientistas afirmam que as pesquisas preliminares podem recomendar cautela.
“A possibilidade de que um contraceptivo químico tem a capacidade de alterar a estrutura bruta do cérebro humano é motivo de preocupação, mesmo que as mudanças pareçam benignas – por enquanto”, escreveu o neurocientista Craig Kinsey na Scientific American sobre o estudo de 2010 “De qualquer maneira, as mulheres precisam ter todo tipo de informação médica, e agora neurobiológica, que puderem para tomar decisões sobre o uso de contraceptivos.”

POLÍCIA AMERICANA RECEBE PEDIDO DE SOCORRO DE VOZ MISTERIOSA

Image title
Se você não acredita em coisas e fatos sobrenaturais é bom nem começar a ler.
A polícia americana atendeu no dia 8 de março de 2015 uma chamada pedindo socorro para um acidente que havia ocorrido no Rio Spanish Fork, nos EUA. 
Foram enviados quatro policiais ao local e ao chegar lá se assustaram com o que viram. 
Na cadeirinha do banco de trás do carro que estava pouca coisa acima do nível do rio, havia uma criança de aproximadamente 1 ano e meio, estava desacordada, porém com vida. 
No banco da frente, eis que o espanto dos policias. A mãe da menina estava morta e, de acordo com a perícia, ela morreu na hora. Acredita-se que a menina ficou cerca de 12 horas sozinha no banco de trás com a mãe morta na frente, mas a pergunta é: 'quem chamou a polícia então?'.
Vizinhos foram interrogados e afirmam não ter pedido socorro, pois era tarde da noite e ficaram com medo de sair para ver o que havia acontecido. O primeiro rapaz que chegou ao local do acidente e também pediu resgate afirma que não havia mulher alguma no local fora a que estava morta. 
O fato é que os quatro policiais afirmaram ter ouvido a voz de uma mulher que vinha do carro e até agora não entendem o que possa ter acontecido ali.


Nenhum comentário:

Postar um comentário