sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Vamos falar sobre sexo!

Falando de Sexo


Sexo


“Puberdade x Masturbação"


Sua finalidade é garantir a manutenção das espécies de seres vivos. É por isso que o impulso sexual é algo tão forte. A energia sexual é seguramente a energia biológica mais poderosa que existe, pois é através dela que nos tornamos parceiros de Deus no processo da Criação. É a única energia natural capaz de gerar Vida (Gn. 1.22,28).
O Sexo na espécie humana e nas demais espécies de seres vivos: a diferença está no fato de que o ser humano é o único animal que usa o sexo não só para procriar, mas como fonte de prazer e expressão de amor. Grifamos a conjunção "e" para realçar o fato de que as duas coisas vêm necessariamente juntas: à luz da Palavra de Deus, o sexo apenas como fonte de prazer torna-se pecaminoso.
Muitos rapazes cristãos sinceros questionam-se frequentemente sobre os aspectos relativos à sua sexualidade. Na idade dos 10 anos em diante, com a chegada da fase chamada “puberdade”, a expressão sexual torna-se florescente, e o menino experimenta sensações até então desconhecidas para si.
O objetivo desta estudo é auxiliar você, jovem cristão, a encarar suas tendências sexuais, especificamente no que se refere á “masturbação”
A masturbação “intencional”, decorrente de pensamentos fantasiosos em relação sexual com outra pessoa: se você está nesta prática, recomendo um arrependimento imediato, e confissão, para perdão dos seus pecados (1 Jo 1.9). Jogue fora todas as revistas pornográficas, ou pôster de pessoas nuas, ou práticas e comentários imorais. Esta masturbação, a mais comum entre os rapazes, é perigosa, porque leva ao descontrole do corpo e da mente
A masturbação “exploratória”: principalmente no início da puberdade (em alguns rapazes a partir dos 10 anos), há uma curiosidade perfeitamente natural a respeito do sexo. Notando uma ereção do pênis, o rapaz manipula-o, sem com isso ter qualquer pensamento incorreto. O faz por curiosidade, e claro, por satisfação própria, atendendo uma pressão sexual natural. Não encontra-se pecado aqui. Trata-se de simples exploração de um desenvolvimento físico normal a todo o rapaz, que, de vez em quando, repete a experiência, sem com isso violar qualquer lei de pureza. Seria até anormal, um rapaz desconhecer seus próprios mecanismos sexuais (excitação, ereção, ejaculação). Se você está nesta prática, saiba que todos os homens normais já passaram por isso, e não há motivo para sentimentos de culpa ou auto-condenação. Procure entender que não é a prática da massagem no seu pênis que está errado, mas é a intenção de fazê-la oriunda de pensamentos pornográficos, claramente condenada em Mateus 5.8.
Sexo seguro e dado por Deus somente no casamento
DEUS É UM DEUS QUE TEM MUITO PRAZER EM ABENÇOAR SEUS FILHOS, E DAR-LHES DO BOM E DO MELHOR.
DEUS FICA SATISFEITO VENDO-NOS ALEGRES E SATISFEITOS.UMA DAS ALEGRIAS QUE DEUS NOS DEU É O SEXO.
O SEXO É UM PRESENTE DE DEUS, PARA O HOMEM E PARA A MULHER DENTRO DOS LIMITES PRESCRITOS Ou SEJA, DENTRO DO CASAMENTO. RELAÇÃO SEXUAL É UMA BENÇÃO SOMENTE NO CASAMENTO.
RELAÇÃO FORA DO CASAMENTO É MALDIÇÃO.
OSÉIAS 4:18- RELAÇÃO SEXUAL É UMA BENÇÃO ENTRE MARIDO E MULHER.
SEXO PERVERTIDO É PECADO, E É RESULTADO DA PRÁTICA DE FEITIÇARIA E DE IDOLATRIA.
ROMANOS 1:18 – PAULO FALA QUE A IMPIEDADE ESTA LIGADA A IMORALIDADE E ISTO É PERVERSÃO SEXUAL.
HOJE OS DEMÔNIOS ESTÃO ATACANDO NA ÁREA SEXUAL.
O BRASIL É CONHECIDO COMO UM DOS POVOS MAIS SENSUAIS DO PLANETA.
O BRASIL É CONHECIDO COMO EXPORTADOR DE HOMOSSEXUAIS, HETEROSEXUAIS E PROSTITUTAS.
Erotismo x pornografia: Há uma diferença básica entre estas duas palavras, embora elas venham sendo usadas hoje em dia praticamente como sinônimos. Erotismo é o conjunto de sensações e impulsos que nos impelem à atividade sexual. Dentro de um relacionamento sexual sadio, os estímulos eróticos, como beijos e carícias, fazem parte do "jogo do amor", e levam a sensações e experiências muito agradáveis. Pornografia, por outro lado, é o mau uso do erotismo, levando a práticas sexuais erradas e pervertidas: o estímulo à prostituição, ao homossexualismo, etc. A confusão de erotismo com pornografia tem levado muitos crentes a deixarem de exercer e aproveitar as práticas eróticas normais, como se o erotismo em si mesmo fosse pecaminoso. Ver I Tm. 4.1-5 e Tt. 
VÁRIAS DANÇAS SENSUAIS.
CARNAVAIS – DEPRAVAÇÃO E SENSUALIDADE TOTAL.
O SEXO TEM SIDO DETURPADO E EXPLORADO.
O HOMEM TEM SIDO LEVADO A CONDIÇÃO DE SIMPLES OBJETOS SEXUAIS.


Deus criou os seres humanos dotados desexualidade. E estabeleceu o matrimônio para que, dentro dele, os casais pudessem cultivar as relações sexuais, Gn. 2: 24; Hb. 13: 4; 1Co. 7: 1-5. Mas, a sociedade tem voltado as costas à Palavra de Deus e ao bom senso. Que problemas isso ocasiona?
OS DEMÔNIOS SÃO PERVERSOS, SUJOS E

 
FAZEM DE TUDO PARA ACABAR COM A 


 
COMUNHÃO NO CONVÍVIO DO CASAL.




DEUS CRIOU O SEXO PARA COMUNHÃO DE DUAS PESSOAS, MARIDO E MULHER, E OS DEMÔNIOS PERVERTEM ISTO.


O DIABO AGE ATRAVÉS DE VÁRIOS MEIOS

* ATRAVÉS DA MENTIRA QUE SATANÁS AMA O SEXO.

* NA VERDADE SATANÁS ODEIA O SEXO.

* O SEXO UNE DUAS PESSOAS EM SANTIDADE, BELEZA E AMOR.

* O DIABO NÃO CONSEGUE AMAR E MEM COMPREENDER ESSE AMOR.

* ATRAVÉS DA MENTIRA QUE O SEXO PERVERTIDO È BOM.

* SATANÁS FALA QUE O SEXO É BOM, NÃO IMPORTA COMO.

* O SEXO PERVERTIDO ESCRAVIZA.

* CRIA DEPENDÊNCIA.

* O SEXO DEPENDENTE CRIA UM DESEJO DE BUSCAR CADA VEZ MAIS, EXCITAÇÕES, DOENÇAS, VIOLÊNCIA, ESTUPRO E ATÉ A MORTE.
Procedimentos "normais" do ponto de vista exclusivamente biológico (ou seja, envolvendo duas pessoas de sexos opostos, numa relação pênis/vagina); podemos analisar dois tipos de situação: 
Relações sexuais antes do compromisso conjugal: quando o casal ainda não tem condições de maturidade, estabilidade financeira e psicoafetiva, quando ainda não é possível assumir um com o outro o compromisso de parceria de vida, e não só de sexo. Este tipo de situação ocorre: 
para adquirir experiência: o jovem ou adolescente acha que precisa aprender antes de comprometer-se com o (a) futuro (a) companheiro (a); 

por amor, entre namorados. Neste caso, freqüentemente há o compromisso afetivo mas não existem condições de se assumir o compromisso conjugal. O casal sente que "um pertence ao outro", e a atração é muito forte, e sempre muito difícil de resistir.  O relacionamento sexual antes do casamento. Em nome de uma liberdade de consciência, jovens e adolescentes são convidados a praticar sexo sem temores. Contudo, esse envolvimento precoce pode trazer sérios problemas, porque é uma relação que sempre procura satisfazer o próprio prazer. Mas, onde ficam os sentimentos ternos, sem os quais as relações sexuais não têm sentido?

 “A imoralidade e a impureza sexual não somente incluem o ato sexual ilícito, mas também qualquer prática sexual com outra pessoa que não seja seu cônjuge. Há quem ensine, em nossos dias, que qualquer intimidade sexual entre jovens e adultos solteiros, tendo eles mútuo “compromisso”, é aceitável, uma vez que não haja ato sexual completo. Tal ensino peca contra a santidade de Deus e o padrão bíblico da pureza”
     Sabemos que a depravação está sem limites; que as crianças, desde a tenra idade, passam a receber uma enorme carga de mensagens eróticas; que elas chegam aos doze, treze ou catorze anos com grande desejo de se iniciarem no sexo; sabemos que a televisão, principalmente – afora teatros, livros, revistas, danças e músicas profanas -, ensina e estimula o relacionamento sexual entre não casados.
A Palavra de Deus adverte expressamente contra a prática do ato sexual sem o compromisso conjugal. Ver Dt. 22.20,21,28 e 29. No segundo livro de Samuel, no capítulo 13, há a história de Amnom e Tamar (ambos filhos de Davi, mas de mães diferentes), em que Amnom sente fortíssima atração pela meia-irmã, e a seduz. O relato bíblico diz que "Depois Amnom sentiu por ela grande aversão, e maior era a aversão que sentiu por ela, que o amor que ele lhe votara". Este é um fato comum: um dos parceiros passa a desprezar o outro (mais freqüentemente o rapaz despreza a moça), e o relacionamento, inicialmente bonito, correto e saudável, dá lugar a tristeza, humilhação e sofrimento. 


Relações pré-nupciais podem gerar sentimentos de culpa, insegurança, dificultando o relacionamento harmonioso do casal posteriormente.
 
 É comum o adúltero achar que pode justificar-se argumentando que a atração que sente pela outra (ou o outro, no caso da mulher) surgiu como uma coisa espontânea, "honesta", até bonita. Isto é uma ilusão. Há no adultério uma dupla deslealdade: para com o cônjuge, que está sendo traído, e para com o companheiro ou companheira clandestina, com quem não se pode assumir nenhum compromisso definitivo, a não ser à custa de romper o vínculo com o parceiro original. 
A gravidade do adultério como pecado compreende-se claramente pela importância que Jesus lhe dá: na ótica do Mestre, é a única justificativa aceitável para o processo de divórcio (Mt. 19.9). 
 O incesto, ou relação sexuais entre parentes íntimos, também é expressamente reprovado na instrução dada por Deus a Moisés (Lv. 18.6-16). 

 Relações sexuais sem amor, sem comprometimento mútuo, pelo simples prazer, ou em troca de dinheiro ou favores especiais (por interesse). No primeiro caso, falamos em fornicação, e no segundo, em prostituição. 


O hábito da relação pré-marital torna mais difícil manter a fidelidade dentro do casamento. A pessoa que não se disciplinar na prática da continência anterior ao casamento, achará difícil conter-se sexualmente nas ocasiões em que tal atitude possa tornar-se necessária dentro do casamento, por causa de enfermidade, viagens, gravidez ou por outros motivos.
Não existe anticoncepcional absolutamente eficiente, e o casal que se envolve nesse tipo de relação sempre corre o risco de gerar filho.  Isso sem contar que está exposto às doenças sexualmente transmissíveis.
 O adultério. A infidelidade conjugal tem sido a causa da destruição de inúmeros lares, separação de casais, revolta de filhos, além de ser uma abominação ao Senhor, Pv. 7: 25-27; 1Co. 6: 15-19. O adultério leva aquele que o pratica a um caos moral, espiritual e até financeiro. Vêm a vergonha, o abalo emocional e a angústia. Veja Pv. 5: 3, 4.
As consequências espirituais do adultério são a separação de Deus, Is. 59: 1; Sl. 66: 8; o desânimo, Sl. 51: 12; a aplicação da justiça de Deus, Hb. 13: 4. Se não houver sincero arrependimento e volta para Deus, virá, então, a condenação eterna, 
 
 Desvios ou aberrações do comportamento sexual: já mencionamos acima que a relação sexual normal do ponto de vista biológico envolve duas pessoas de sexos opostos, sexualmente maduras, isto é, cujo organismo está pronto para o ato da procriação. Qualquer relação fora deste padrão já não envolve apenas questões éticas, mas sim condições patológicas: doenças da mente e do espírito. Em Lv. 18.22,23, e Rm. 1.26,27 compreendemos a gravidade deste tipo de comportamento. Conhecemos vários tipos de aberração: 
- Bestialismo ou zoofilia: a prática de relações sexuais com animais.
 - Pedofilia: a atração anormal por crianças ( criaturas ainda não sexualmente maduras).
- Necrofilia: a prática de relações sexuais com cadáveres.

É Abominável aos olhos de Deus:
 
- Homossexualismo: o relacionamento sexual com pessoas do mesmo sexo.
- Sexo anal: a relação sexual com penetração no ânus em vez da vagina. Biologicamente, o ânus é um orifício de saída, não de entrada. O material contido na ampola retal, que é a última parte do intestino e que desemboca no ânus, é cheio de bactérias, cuja presença é normal no local mas nas vias urinárias pode levar ao aparecimento de lesões e infecções às vezes graves. Além disso, é uma relação mais traumática, causando freqüentemente escoriações e fissuras por onde podem entrar microorganismos atingindo a corrente sangüínea e causando doenças como a AIDS. 



Casais em Fotos Artísticas Sensuais A educação sexual.  Os filhos precisam de encontrar em seus pais a resposta para seus dilemas através de uma conversa franca;
 O cultivo da vida espiritual.  Nunca devem faltar no lar a oração, a comunhão, a leitura de bons livros, incentivo à participação aos cultos e, acima de tudo, a constante leitura da Bíblia, Sl. 119: 9;
 Dizer “não” a tudo o que contraria as verdades de Deus, e não permitir que amigos que não conhecem a Bíblia doutrinem a família, Ef. 5: 11;
 Fazer com que o lar seja um ambiente de felicidade e segurança, pois muitos filhos tentam compensar essa falta fazendo aquilo que é reprovável como uma expressão de revolta e rebeldia da sua parte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário